POLÍTICA DE INTERNACIONALIZAÇÃO

A internacionalização do ensino é a etapa superior das relações internacionais entre Instituições do Ensino Superior e não é mais considerada um objetivo em si, mas um meio de melhorar e de promover a qualidade do ensino, da aprendizagem e da investigação. A aquisição de conhecimento, a mobilização de talentos, a investigação aplicada e os currículos partilhados por Instituições parceiras, são considerados os benefícios primordiais da internacionalização do ensino superior. A internacionalização tem que implicar um fator de mudança e de melhoria institucional, ajudando a desenvolver as habilidades necessárias para o século em que vivemos, estimulando, igualmente, a inovação e a criação de alternativas de desenvolvimento sustentável, promovendo, em última instância, a criação de empregos promotores de qualidade de vida. No entanto, o atual clima económico exige uma análise mais aprofundada dos benefícios tangíveis da internacionalização para as economias e sociedades europeias.

Hoje em dia, a internacionalização tem dois lados que se complementam. Por um lado, pode ajudar os alunos a alcançar seus objetivos na obtenção de uma educação de qualidade e no fomento de projetos de investigação diferenciadores, dando aos alunos a oportunidade para uma aprendizagem experimental num “mundo real em tempo real” com interações e procedimentos que não podem ser simplesmente ensinados. Por outro lado, as Instituições podem ganhar reputação internacional, posicionando-se na linha da frente da comunidade internacional de ensino superior. E várias são as razões para se internacionalizar uma instituição. No ISEC Lisboa destacamos a importância na 1. Melhoria da preparação dos alunos; 2. Na possibilidade de internacionalizar currículos e planos de estudos; 3. Na melhoria do perfil internacional da instituição; 4. No fortalecimento da produção científica e de investigação; 5. No desenvolvimento do conhecimento científico e pedagógico; 5. Na diversificação da comunidade académica, corpo docente e não-docente, estudantes.

Existe no ISEC Lisboa, um consenso geral que a internacionalização pode, como parte de uma estratégia mais ampla, oferecer a estudantes e professores benefícios valiosos de desenvolvimento de competências e capacidades. Pode, igualmente, estimular o pensamento estratégico que leva à inovação e à facilitação de procedimentos de garantia de qualidade e de desenvolvimento tecnológico. Com a introdução da internacionalização na cultura do ensino superior, toda a comunidade académica, pode alcançar uma maior consciencialização sobre as questões globais que importam à humanidade, uma vez que, transcende, países culturas e línguas.  

A internacionalização tem um papel de relevo no plano de desenvolvimento estratégico do ISEC Lisboa e concretiza-se através do Gabinete de Relações Internacionais (GRI) que é a estrutura de coordenação, acompanhamento e apoio operacional às iniciativas de cooperação internacional no âmbito da formação, da investigação científica e da mobilidade académica. 

A internacionalização é uma prioridade transversal aos diferentes projetos de atividades do Instituto, desde a oferta formativa às práticas de I&DT e de responsabilidade social, a internacionalização constitui um fator chave no plano de desenvolvimento estratégico do ISEC Lisboa.

O GRI tem como principais atribuições o desenvolvimento de estratégias de cooperação com estabelecimentos de ensino superior e empresas, dentro e fora do espaço europeu, no âmbito dos programas de mobilidade de estudantes e docentes; o desenvolvimento de ações de cooperação internacional ao nível de projetos de I&DT, e o apoio e coordenação do intercâmbio e da mobilidade de docentes, alunos e pessoal não docente; 

A consecução da nossa Política Estratégica de Internacionalização investe principalmente no estabelecimento de parcerias privilegiadas na Europa, CPLP e América Latina, tendo como principais objetivos: (i) a melhoria das normas académicas e de qualidade; (ii) a integração em redes internacionais de cooperação ao nível da educação / formação e I&DT; (iii) o aumento da visibilidade e do reconhecimento internacional e transnacional do ISEC e da sua comunidade acadêmica; (iv) o aumento das competências e qualificações técnicas e científicas, bem como o enriquecimento cultural resultante de experiências de intercâmbio e de mobilidade; e (v) a diversificação das fontes de recrutamento de professores e estudantes.

A escolha dos parceiros para a implementação da estratégia de internacionalização baseia-se na preferência dada ao estabelecimento de protocolos com instituições e organizações com intervenção em áreas de atuação do ISEC Lisboa.

A prioridade na escolha dos nossos parceiros é estabelecida com base no potencial de ações concretas e eficazes de cooperação e o envolvimento com parceiros de regiões geográficas de particular interesse para a concretização e o reforço dos nossos projetos de internacionalização.

Um dos pilares para a consecução da nossa Política de Internacionalização assenta no Programa Europeu ERASMUS+. Neste sentido, os esforços de integração no espaço europeu de ensino superior e o reconhecimento da importância da cooperação internacional ao nível das politicas europeias têm oferecido ao ISEC Lisboa, oportunidades únicas de realização de que são exemplo, entre outras, a obtenção da Carta Europeia Erasmus em 2007 e da Carta Alargada da EUC em 2009, estando em curso a candidatura à Carta ERASMUS 2021-2027. No âmbito do Programa Erasmus, foram estabelecidos até ao presente 40 acordos bilaterais com instituições de ensino superior na Bélgica, Bulgária, Croácia, Espanha, Estónia, Alemanha, Itália, Hungria, Polónia, República Checa, Roménia e Turquia.

O estabelecimento de parcerias internacionais no âmbito da CPLP e da América Latina tem-se revelado igualmente de grande relevância para o projeto de internacionalização do ISEC Lisboa, tendo sido estabelecidas, até ao presente, cerca de 2 dezenas de protocolos de cooperação, designadamente no Brasil, México, Macau e Angola.

A partilha de culturas e experiências permitidas por uma experiência internacional são extraordinariamente enriquecedoras para o percurso dos estudantes. Em 2019/2020 estudavam no ISEC Lisboa 302 estudantes de nacionalidade estrangeira constituindo cerca de 20% da nossa população estudantil, conferindo ao nosso CAMPUS um ambiente global e multicultural.

A Globalização da sociedade contemporânea impõe-nos o trabalho em networking de onde resultam ganhos sinergéticos de monta, o mesmo se podendo dizer da pertença a Redes e Associações internacionais. Em 2020, o ISEC Lisboa é membro de uma dezena de Redes e Associações Internacionais.


PROMOÇÃO DA MOBILIDADE DIGITAL

A Mobilidade Virtual (MV) é uma forte aposta do ISEC Lisboa para a remoção das dificuldades sentidas pelos estudantes para as suas experiências de internacionalização.

A MV pretende incrementar as experiências de internacionalização, de aprendizagens multiculturais, de desenvolvimento de competências linguísticas e de trabalho conjunto em projetos transnacionais ao redor do Globo.

Por via das Plataformas digitais – que são uma fortíssima aposta do ISEC Lisboa – estas múltiplas ferramentas digitais permitirão a partilha remota e em tempo real de experiências e a criação de sinergias para o desenvolvimento de projetos comuns entre os parceiros. A Mobilidade através dos CAMPI digitais permitirá também a interconexão de estudantes e de staff de diferentes origens a partilharem experiências de aprendizagens e de boas práticas, em tempo real, acessível a todos os públicos independentemente das suas dificuldades específicas.

Durante 2020/21 serão estabelecidos procedimentos internos com vista à implementação da MV a partir de 2021/22. Entre as ações a desenvolver em 2020/21 destacam-se:

  • Estabelecimento de parcerias para MV;
  • Definição de objetivos de aprendizagem e de desenvolvimento de competências com a MV;
  • Definição dos procedimentos de reconhecimento automático dos resultados da MV;
  • Definição dos processos e calendários de candidatura para a MV 2021/22;

A Mobilidade Virtual pretende constituir-se como uma via de acessibilidade para uma experiência internacional sem os custos (económicos, sociais, familiares) associados à mobilidade física.  

Este item prende-se ainda com o desígnio estabelecido pelo ISEC Lisboa para os próximos anos na adoção integral de metodologias de e-learning e/ou b-learning e de mobilidade virtual numa clara aposta de inovação e modernização inerentes aos novos paradigmas nos processos ensino-aprendizagem no ensino superior e que concorrem para uma mais facilitada construção de um Espaço de Ensino Europeu (e mundial) comum, aberto, acessível e transparente. 


PRÁTICAS AMIGAS DO AMBIENTE

A Sustentabilidade é para nós um conceito-chave e dentro dele a Sustentabilidade Ambiental é uma âncora que atravessa transversalmente toda a nossa ação. A concretização deste propósito efetua-se através, designadamente:

  • (i)  da atividade quotidiana desenvolvida pelo Gabinete de Responsabilidade Social (GRS);
  • (ii)a nossa adesão à Rede de Campus Sustentável (que
  • integra cerca de 30 IES portuguesas);
  • (iii)    a nossa adesão e compromisso com os Princípios dos ODS relativos à Agenda 2030;
  • (iv) as práticas diárias de ensino da defesa do Ambiente, quer no seio dos planos curriculares, quer em inúmeros cursos livres; 

No contexto do Programa ERASMUS+ salienta-se como práticas de sustentabilidade ambiental:

  1. Em diferentes momentos ao longo do ano realização de espaços de partilha e de debate sobre temáticas relacionadas com a Ética para a sustentabilidade e de melhoria de Práticas Ambientais e padrões de consumo, destinados a estudantes e staff incoming e outgoing;
  2. Adoção de todos os Princípios inerentes ao ERASMUS sem papel que para além de responder aos desafios da digitalização, pretende também incluir procedimentos mais amigos do ambiente.
  3. Adoção em todos os nossos procedimentos internos da maximização das ferramentas digitais e da minimização do consumo de papel, bem como da continua consciencialização para práticas quotidianas sustentáveis e promoção dessa consciencialização junto dos participantes incoming e outgoing;
  4. Incorporação em todos os momentos (Antes, durante e após) da mobilidade de práticas amigas do ambiente;

COMPROMISSO CÍVICO

A promoção de uma consciência de responsabilidade social e de cidadania responsável e ativa são pilares da conduta da nossa Organização. Cientes da importância desta área, o ISEC Lisboa incorporou (desde sempre) estes Princípios fundamentais na sua missão institucional: “A missão do ISEC é promover a realização integral da pessoa através do desenvolvimento do ensino e da investigação com elevados padrões de qualidade, adotando uma visão personalista do Homem e uma consciência de responsabilidade social. Esta missão cumpre-se através da criação, transmissão e difusão da cultura e do saber de natureza profissional, com elevados padrões de qualidade e exigência e fomentando o sentido da cooperação e a consciência da dimensão social e solidária da cidadania”.

A operacionalização do desenvolvimento daquele sentido de Responsabilidade Social e de compromissos com uma cidadania ativa em toda a nossa comunidade académica é desenvolvida através do nosso Gabinete de Responsabilidade Social que desencadeia múltiplas ações que visam aqueles fins, no âmbito da CARTA SOCIAL do ISEC LISBOA e da sua POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL.

Toda a nossa comunidade (estudantes, docentes, funcionários, parceiros externos, etc) ao longo de todo o ano e em diferentes momentos são envolvidos em múltiplas ações realizadas pelo GRS. Assim, todos os participantes incoming e outgoing em diferentes momentos (antes, durante e depois) da mobilidade são convidados e estimulados a participarem ativamente nessas ações que têm diferentes tipologias:

  • (i) Programas de voluntariado junto de organizações não governamentais;
  • (ii) Campanhas de solidariedade;
  • (iii) Apoio a populações carenciadas;
  • (iv) Ações de sensibilização para o bem-estar animal e defesa do ambiente;
  • (v) Campanhas de defesa do ambiente e de alterações de padrões de consumo;
  • (vi) Campanha dos Finalistas Solidários,
  • (vii) Organização de uma FEIRA SOCIAL Anual, cujas receitas revertem para Associações de Solidariedade, etc…